quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Crise de estado



Eu recebi um comentário meio abusado de um leitor que me inspirou  a escrever esse texto, esse leitor insinuava que as pessoas estão muito enganadas com relação a crise.

Ele observou que os países europeus, e os EUA, continuam comandando o mercado financeiro mundial, ainda tem os melhores IDHs, melhores notas nas agências de avaliação de risco, criam boicote, etc. Resumindo: Mandam no mundo.

Ele está certo em seu ponto de vista, a crise deverá afetar as empresas, é verdade, mas  é uma crise dos estados capitalistas.

Era de se prever que a concentração de capitais um dia teria um fim, o processo de globalização econômica revelou-se um fracasso, mas ninguém quer assumir isso. É preciso esperar que todo o Clube de Bilderberg esteja em terra firme, antes de dar a triste notícia.

Notem vocês que globalização econômica é uma coisa, mas globalização da informação, conhecimento ou cultura de um modo geral, são diferentes, podendo até inverter os resultados desse processo.

Uma prova disso, é a intenção de censurar a internet, tirando a liberdade ou a privacidade dos internautas.  A internet era o único universo onde podíamos de fato ter liberdade, informar e compartilhar conhecimentos.

Ironicamente, foi a internet que denunciou, através de Daniel Estulin, essa conspiração para monopolizar a informação e devolver o poder para as mídias elitizadas de massa, que é muito importante para os donos do poder.

Contrariando a globalização da informação, a globalização econômica é venenosa, corrupta, mal intencionada e realizou o sonho dos bilderbergers de migrar capitais de forma rápida e segura, o que facilitou muito a lavagem de dinheiro pelo mundo.

Observem os escândalos das Ongs, por exemplo, isso não tira os méritos de boas Ongs, mas a quantidade de Ongs com segundas intenções seria alarmante, se não tivéssemos descoberto isso tarde demais. Agora só resta chorar.

Durante a busca de solução para a fome, na África, onde estavam as Ongs?

As pessoas passaram a questionar o real valor das baleias, florestas, tecnologia, educação, etc., diante dos africanos que morriam de fome. Foi só aí que a ficha caiu.

Eu, por exemplo, lembrei-me do esforço de Mr. Bill Gates em convencer os homens mais ricos a doarem suas fortunas, em herança, para sua Ong. Casos bem conhecidos no Brasil,  são a Fundação Roberto Marinho e a igreja de Edir Macedo, onde o capitalismo e socialismo fizeram  alianças diabólicas.

Outro fato que não dá para esquecer, é o caso da fome zero, que começou como uma grande corrente do bem e terminou  como ferramenta para os políticos.

Maquiavel afirmou que a igreja não deveria interferir no estado, apenas confirmando o que Jesus já tinha dito a mais de mil anos antes: "À Cesar o que é de César e a Deus o que é de Deus."

Como podemos notar, não houve evolução no pensamento, pelo menos no lado filosófico, porque o pensamento político ficou muito mais "maquiavélico".

Agora estamos com vários problemas: Separar o capitalismo do socialismo, imperialismo da democracia, polícia da liberdade de expressão, economia da cultura.

É, meus amigos, a tarefa não será fácil. Nem Hércules poderia resolver esses problemas contemporâneos.

A crise econômica, na verdade é uma crise de estado, onde os governos estão falidos, devendo para as suas próprias empresas.

Os mesmos países que estão às portas da falência, são os mesmos países imperialistas que mantém as estruturas de seus infernos fiscais, protegendo e concentrando dinheiro de sua elite suja.

Não posso dizer o que vocês devem fazer, o que posso dizer é: "Não tenha pena!

By Jânio

Postar um comentário